Facebook

O que eu li em Setembro

Só eu que tive a impressão que Setembro passou voando? Meu período de provas começou, ou seja, desespero na certa, mas ao invés de me dedicar 100% a estudar, acabei lendo alguns livros e empacando em outros. Antes de falar dos livros que li, vou relembrar a vocês que está rolando sorteio no instagram do blog, se você ainda não participou, relaxe que ainda dá tempo (link aqui).

O blog está agora com uma nova coluna chamada Diário de uma ex-adolescente lerda, onde eu conto algumas experiências que vivi no meu período conturbado de adolescente problemático, e inclusive já fiz meu primeiro post que você pode ver aqui. E é com muita felicidade que estou participando do meu primeiro booktour, com a autora parceira Catarine Cecília, que escreveu e cedeu seu livro Entre o amor e os desejos para resenha. Visite o perfil da autora.

Agora falando sobre as leituras: empaquei em dois livros mas consegui concluir 9. Como perceberam nas resenhas, dei a louca e comecei a ler muitos romances de época, o que me fez negligenciar outros gêneros. Para ler as resenhas, basta clicar em cima das imagens.
E vocês, o que leram no mês de setembro?

Nota: 5/5

Nota: 4/5

Nota: 3/5

Diário de uma ex-adolescente lerda: Minha triste história com o inglês

Hello people, como vão? Hoje vou começar uma nova coluna aqui no blog e espero que vocês gostem. A ideia surgiu da vontade de conversar um pouco mais com vocês sobre a minha pessoa, ou seja, através de crônicas, vou discutir sobre algumas histórias e fatos interessantes que aconteceram na minha vida e provavelmente na vida de algum de vocês  também. Assim a gente pode conhecer melhor de cada um, e a cada post da coluna, eu vou trazer um tema e discutir sobre ele, geralmente, sobre algumas experiências que vivi durante a minha adolescência (e que infelizmente foi longa!). E para começar, o tema de hoje será Minha triste história com o inglês.

Minha triste história com o inglês

Aqui em Brasília há um programa nas escolas chamado CIL - Centro Interesecolar de Línguas, que é aberto para a comunidade e estudantes do DF com cursos de inglês, espanhol e francês (rolou um japonês e um alemão, mas eu nunca fiz). E como a minha família nunca foi dado a muitos privilégios, minha mãe viu uma oportunidade e logo inscreveu eu e minha irmã para fazermos inglês. 

Gente, não sei vocês mas o inglês do ensino médio/fundamental nunca saiu do verbo to be, ao menos no da minha escola, e como isso era fácil pra caramba, eu "dominava" a matéria, então quando vi que ia estudar inglês, na hora me imaginei super poliglota no futuro (haha, porque eu sonho alto!). Só que o inglês não é tão fácil assim...

Por quê amamos romance de época?

Deu a louca na Mika: AGORA ELA SÓ LÊ ROMANCE DE ÉPOCA! Pois é gatinhos, esse mês de Setembro está se tornando um verdadeiro tour pelas ruas de Londres de tanto romance de época que eu tenho lido. Felizmente o gênero é uma zona de conforto tão grande que eu acabo um, e já vou ler outro sem problema algum. E nas resenhas que escrevo aqui, percebi que muitas pessoas dizem que não curtem o gênero ou que não são muito fãs. Super entendo até porque eu detesto distopia, mas OI?, romance de época é maravilhoso, como assim vocês não gostam? 

Por esses comentários, eu fiquei analisando e me perguntando o que nos chamam atenção nesse gênero, e assim separei cinco coisas que acredito que são vitais para fazer com que o leitor goste ou não de um romance de época. Isso também pode ajudar aquelas pessoas que não dão chance ao gênero, a olhá-lo com outros olhos. Só ressaltando que eu escolhi esses cinco motivos, mas que você que curte o gênero pode escolher outros mil, isso é uma opinião pessoal minha. 

O baile de máscaras - Joanna Taylor | Resenha

Em 1786, Londres é uma cidade magnífica, caótica e implacável. Que o diga a jovem Lizzy Ward, cujos sonhos cedo se desvaneceram para dar lugar a uma vida que nunca desejou. Nunca foi sua intenção ser prostituta, mas o destino assim quis. Todavia, a sua sorte parece estar prestes a mudar. Um dia, ao calcorrear as ruelas negras de fuligem de Piccadilly, dá por si a salvar a vida de um homem diferente dos outros. Lord Edward Hays não só é aristocrata como não está minimamente interessado nos seus serviços. Ou melhor, nos seus serviços habituais. Lord Hays quer contratá-la mas não por uma noite. O seu plano é apenas exibi-la na alta sociedade como sua companheira durante toda a semana que vai passar na cidade.
Estará Lizzy à altura do papel? À medida que se embrenha nos mais sumptuosos e respeitáveis salões londrinos, os obstáculos parecem suceder-se. Além disso, a jovem apercebe-se de que, naquele mundo, ela não é a única a usar uma máscara. Para piorar as coisas, a sua relação com Edward está a intensificar-se de dia para dia - a charada de ambos ameaça ruir, e Londres está a postos para o grande escândalo...
Erótico | 352 páginas | Editora Asa | Nota:

Lizzy Ward foi criada em uma quinta no campo, e após saber que a mesma seria vendida pelo seu pai, ela fugiu para Londres para tentar a vida como uma criada. Mas a inocência da moça fez com que um patife facilmente a iludisse e assim Lizzy perdeu a virgindade. Sem conseguir arrumar emprego, o homem que jurou que estava apaixonado pela moça levou para Mrs. Wilkes, uma famosa casa de prostituição em Mayfair.

Assim, todos os sonhos que Lizzy um dia sonhou foram se perdendo em meio as situações que a vida lhe impôs. Depois de ter conseguido fugir com sua melhor amiga Kitty da casa onde Mrs. Wilkes ficava com quase todos seus ganhos, as duas se estabelecem em Piccadilly. E mesmo que Lizzy não tenha mais esperanças de se casar e ter uma família, ela ainda deseja conseguir virar cortesã de um homem só, assim poderá ter independência e uma casa para morar. 
Foto por Leitora Encantada
Em meio a um dia de trabalho, Lizzy acaba conhecendo Lorde Hays, um dos homens mais ricos de toda Londres. Ele planeja comprar um barco para o transporte de ouro e precisa aparecer em vários encontros, e inevitavelmente irá se encontrar com várias moças e matronas casamenteiras, loucas para que Edward coloque um anel em suas filhas. Para evitar tal aborrecimento, ele faz um acordo com Lizzy. Ela deverá fingir ser uma moça da província  e irá o acompanhar em todos esses eventos.

Boston Boys - Giulia Paim | Resenha

O sonho de toda adolescente se realizou para Ronnie Adams: o maior astro pop da TV foi morar na casa dela. Ela deveria estar vibrando, como qualquer garota normal, mas na verdade está odiando a ideia. Ela não vê a menor graça em Boston Boys, programa sobre a vida de três integrantes de uma boyband, e acha os garotos uns babacas.
De fato, Mason McDougal se acha o máximo e está acostumado a ser recebido sempre por meninas histéricas, por isso não faz o menor esforço para ser simpático. Tendo que lidar com o egocentrismo do garoto, além da perseguição de fãs ciumentas, a vida de Ronnie vira de cabeça para baixo.
Agora ela terá que se acostumar com a stalker no 1 dos garotos plantada em seu gramado, frequentar festas glamorosas e lidar com paparazzis, resolver uma guerra de fofocas on-line e até fazer uma viagem internacional. Em meio a tantas novas aventuras, Ronnie se envolve cada vez mais com os Boston Boys e percebe aos poucos que, no mundo da fama, nem tudo é o que parece ser...
Infanto-juvenil | 360 páginas | Editora Globo Alt | Nota: 

Ronnie Adams é uma garota comum de 15 anos que viu sua vida de cabeça para baixo desde que descobriu que sua mãe, uma analista de sistema, mudou bruscamente de emprego: agora ela é produtora de TV, e nada menos que do programa Boston Boys, esse mesmo que Ronnie odeia. O programa é composto por uma boy band de três integrantes: Henry no baixo, Ryan na bateria e Mason McDougal, vocalista e guitarrista, e claro, o mais metido de todos. 

O problema é que agora o programa irá ser gravado em Boston e a mãe de Ronnie convida Mason para morar com elas, já que ele não terá onde ficar. É claro que Ronnie detesta a ideia, ao mesmo tempo que sua irmã de 10 anos, Mary, ama a situação. Mason é extremamente folgado e preguiçoso, e tudo piora quando ele começa a frequentar a mesma escola que ela. Mas ás vezes a fama repentina que adentrou na família Adams não seja de todo ruim, e isso pode acarretar várias oportunidades para Ronnie.
Foto por Leitora Encantada